Prepare-se e saiba um pouco mais sobre a Páscoa

  • Categoria :Blog - Gastronomia
  • Data :12 / abril / 2019

Prepare-se e saiba um pouco mais sobre a Páscoa

Texto adaptado por Sandra Zarpelon

 

A Páscoa Cristã é uma das festividades mais importantes para o cristianismo, pois representa a ressurreição de Jesus Cristo, o filho de Deus.  

Mas segundo a história, a Páscoa já era comemorada antes do surgimento do Cristianismo. Tratava-se da comemoração do povo judeu por terem sido libertados da escravidão no Egito e que durou aproximadamente 400 anos.

Já na Europa, a páscoa era um rito pagão de passagem, ocorrido no mês de março, marcando a mudança de um rigoroso inverno, para um novo começo: a primavera.

Nos países de língua inglesa, a páscoa é chamada de Easter, em referência à deusa de origem anglo-saxônica Eostre, que representa a fertilidade e o renascimento.

Dentro do cristianismo, diferentes religiões e denominações celebram a Páscoa de maneira diferente. Por exemplo, os protestantes celebram de maneira diferente que os católicos. Enquanto os católicos são encorajados a não comer carne na Quaresma, para os protestantes não existe essa restrição. Além disso, os protestantes não costumam celebrar todos os dias da Semana Santa como os católicos, dando mais importância à Sexta Feira Santa e Domingo de Páscoa.

Não podemos esquecer que independente da religião, o verdadeiro sentido da Páscoa é o amor, o perdão e a bondade.  A Páscoa relaciona-se com a esperança de uma vida nova, de alegria e de uma confraternização familiar.

Organizar um almoço de Páscoa caprichado e saboroso é uma maneira especial de reunir a família e amigos. Preparar uma mesa com receitas diferenciadas e inovadoras pode ser uma forma de tornar a Páscoa um momento ainda mais especial do que já é.

Duas das minhas sugestões de receitas faz-se o uso de uma massa que faz parte da composição de um pão bastante conhecido por nós e que tem a sua origem de denominação francesa: a massa folhada.

Um dos pilares da panificação e da confeitaria mundial, a massa folhada é uma massa feita basicamente de farinha de trigo, água gelada, sal e, às vezes, açúcar e ovos. A sua verdadeira história e criação é um emaranhando de possíveis fatos ocorridos por séculos. Muitos acreditam que essa maravilha da gastronomia tenha sido inventada ainda na Antiguidade. Provavelmente por egípcios ou gregos.

Outro a quem se atribui a criação da massa folhada é Claude Gellée (século XVII).  Gellée era um Pintor e tornou-se um pasteleiro quando teria passado uma grande quantidade de manteiga num pedaço de massa de pão e levado ao forno. A intenção do pasteleiro era obter um pão de sabor amanteigado para presentear ao pai, que estava muito doente. O resultado teria sido um pão com vária camadas.

Paul Bocuse, no livro “A cozinha de Paul Bocuse”, lançado no Brasil em 2002, observa que os pasteleiros do século XIII já conheciam a massa folhada. Ele acrescenta que pode ter sido no decorrer dos séculos XVIII e XIX que a massa evoluiu para o que conhecemos hoje.

Outro famoso cozinheiro francês, Carême (1783-1833) considerado rei dos cozinheiros e o cozinheiro dos reis, resolve continuar a fazer pesquisas e a melhorar as antigas receitas feitas por seu antecessor. A ele é atribuído o preparo dos vol-au-vent que seria a moldagem da massa folhada, fazendo com que ela crescesse em forma de torre.

Fonte: https://www.france-voyage.com/gastronomy/bouchee-reine-490.htm

 

O doce mil folhas, que será a nossa dica de sobremesa, também foi aperfeiçoada por Carême que adorava trabalhar com massa folhada e foi o precursor na apresentação de doces intercalados em finas fatias e muito creme nas mesas dos grandes banquetes para a alta sociedade e a aristocracia francesa.


Fonte: https://prazeresdamesa.uol.com.br/reportagens/com-as-bencaos-de-careme/

O prato “queridinho” para ser servido às sextas-feiras santas e no domingo de Páscoa tem um ingrediente bastante conhecido e apreciado: o bacalhau.

O bacalhau salgado e seco foi uma revolução como conhecimento da técnica de conservação de alimentos. Outras características que se mantiveram com a salga e secagem foram os seus nutrientes e um sabor agradável ao paladar.

O hábito de comer bacalhau veio para o Brasil com os portugueses, já na época do descobrimento. Mas foi com a vinda da corte portuguesa, no início do século XIX, que este hábito alimentar começou a se difundir nas mesas dos brasileiros às sextas-feiras, dias santos e festas familiares. Data dessa época a primeira exportação oficial de bacalhau da Noruega para o Brasil, que aconteceu em 1843.

Durante muitos anos o bacalhau foi um alimento barato, sempre presente nas mesas das camadas populares da Europa. Após a 2ª Guerra Mundial, com a escassez de alimentos em toda a Europa, o preço do bacalhau aumentou, restringindo o consumo popular. Ao longo dos anos foi mudando o perfil do consumidor do bacalhau, e o consumo popular do peixe se concentrou, principalmente, nas principais festas cristãs: a Páscoa e o Natal.

Atualmente, o bacalhau está totalmente incorporado à cultura culinária brasileira. Todos os bons restaurantes internacionais oferecem alguns pratos tradicionais de bacalhau, e o bolinho de bacalhau é preferência nacional nos bares e botequins.

Então vamos as nossas sugestões?

Foram sugeridas duas versões do uso do bacalhau em diferentes preparos. É para fugir da tradicional bacalhoada.

A primeira receita, o Bacalhau Folhado, é uma inspiração francesa da região de Aquitânia. Já a segunda receita é uma preparação inteiramente portuguesa, “com certeza”.

Para a sobremesa e para os amantes de chocolate, fica a dica de uma Torta Mousse de Gianduia.

Gianduia é o nome dado pelos Piemonteses para a mistura de chocolate com pasta de avelãs. A receita veio de Turim, na Itália, onde a Gianduia é produzida desde 1600.Uma delícia!

E para finalizar, como falamos anteriormente sobre a massa folhada, fica a sugestão dessa receita do Chef Ivo Lopes do tradicional doce francês o Mil Folhas. Imperdível!

Receita 1

 

BACALHAU FOLHADO

 
Para o bacalhau

600 g de massa folhada laminada congelada (2 pacotes)

500 g de Bacalhau em lascas dessalgado

2 cebolas médias cortadas em cubos pequenos

2 dentes de alho picados

Azeite

Salsinha

1 gema

pimenta do reino e sal

Para o Purê

700 g de batatas

50 g de manteiga

1 cebola cortada em cubos pequenos.

Leite o suficiente para dar o ponto no purê (+/- 500 ml)

Sal e pimenta do reino

Modo de preparo
O bacalhau

Refogar as cebolas, o alho com azeite e adicionar o bacalhau e deixar cozinhar até secar.

Tempere com a salsinha, pimenta do reino e se precisar adicione o sal.

O Purê

Cozinhar as batatas em água. Espremer ainda mornas e reserve. Em uma panela acrescente o leite e a manteiga e misture bem até obter um purê bem firme. Tempere com sal, pimenta. Desligue o fogo e deixe esfriar.

Montagem:

1.  Em uma superfície lisa, abra a massa folhada e coloque o purê frio fazendo “uma cama” e disponha o bacalhau por cima.

2.  Cubra o bacalhau com a massa, formando um pacote. Com as gemas, pincele as bordas e aperte bem. Isso evita da massa abrir nas laterais.

3. Para finalizar, pincele o restante das gemas em cima da massa.

4. Leve ao forno preaquecido a 180 graus por 40 minutos ou até que fique dourado. Sirva quente.

 Obs.: Outra sugestão seria trocar o bacalhau por filés de peixe. Tempere com sal e pimenta do reino e coloque sobre o purê de batatas (e ou de mandioquinha). Levar ao forno para assar.

 Receita 2

 

 BACALHAU COM NATAS

 

●        500 g bacalhau

●        1 cebola picada

●        2 dentes de alho

●        4 batatas medias cortadas em cubos médios

●        1 talo de alho poró (alho francês em Portugal)

●        1/2 litro de natas (ou 3 latas creme de leite sem soro)

●        1 ovo

●        Queijo parmesão (a gosto)

●        Coentro (opcional)

●        Azeite

●        Azeitona preta (a gosto)

●        Óleo para fritura das batatas 

Modo de preparo

1. Dessalgue o bacalhau em água por cerca de 24 horas, trocando a água quantas vezes forem necessárias. Lembrando que o dessalgue deve ser feita na geladeira.

2. Em uma panela coloque o azeite, doure o alho, cebola, o alho francês, em seguida coloque o bacalhau deixe dourar.

2. Pegue as batatas corte em cubos médios e leve para cozinhar em água e um pouco de sal por 10 minutos. Depois de escorrer, frite em óleo quente à parte e reserve.

3. Adicione as batatas juntamente com o bacalhau já dourado, só nessa hora coloque o coentro (opcional) a seu gosto juntamente com as natas ou creme de leite. Misture tudo delicadamente.

4. Em uma travessa, despeje todo o conteúdo do creme com bacalhau. Bata 1 ovo inteiro e despeje sobre o conteúdo da travessa, espalhe um pouquinho de parmesão por cima e decore com azeitonas pretas

Coloque para gratinar no forno durante 30 minutos, até virar uma casquinha bem crocante. Servir quente. 

 Receita 3

 

 TORTA MOUSSE DE GIANDUIA

 
Para a massa

50 g de avelã (Opcional)
125g de açúcar
125g de farinha de trigo
125g de Chocolate em pó
125g de manteiga
1/2 xícara de leite
1 colher de sobremesa de fermento
2 ovos
Manteiga e farinha de trigo para untar a forma

Para o creme de gianduia

275 ml de creme de leite fresco
170g de chocolate meio amargo
1 pote de 350g de Nutella (ou outra marca)

Utensílio


1 forma de 23cm de diâmetro de aro removível.

Modo de preparo

1- Pré-aqueça o forno a 200ºC e unte a forma com manteiga e polvilhe com farinha de trigo.

2- Coloque as avelãs numa frigideira, em fogo médio, para torrar levemente (se usar). Mexa a frigideira e esfregue as avelãs usando as palmas das mãos para que ela solte a casca. Reserve.

Fazendo a massa

3- Bata as claras em neve e reserve. Em outra tigela, acrescente o açúcar e a manteiga e as gemas. Bata até ficar um creme claro. Acrescente a farinha de trigo e o leite alternadamente e mexa manualmente. Coloque o fermento, misture e adicione as claras em neve e mexa suavemente. Levar ao forno para assar.

4- Irá assar como um bolo normal. Faça o teste do palito para ver se está bom e deixe esfriar completamente.

Enquanto a massa está no forno, faça o creme de gianduia

5- Bata o chantilly e reserve. Derreta o chocolate meio amargo e misture com o creme de avelã. Misture ao chantilly batido com movimentos suaves.

Depois que tudo estiver frio, comece a montar

6- Coloque o creme de gianduia por cima do bolo assado e em seguida polvilhe com as avelãs. Leve à geladeira coberta com papel filme.
7- Quando a cobertura estiver dura, coloque em um prato de bolo, retire o aro que envolve a forma e mantenha na geladeira até a hora de servir. 

 Receita 4

 

 MIL-FOLHAS

 
1 porção

75 g de creme de leite fresco batido em ponto de chantilly
65 g de gemas
50 g de açúcar
25 g de amido de milho
250 ml de leite
4 retângulos de massa folhada
2,5 folhas de gelatina
1/2 fava de baunilha
Açúcar de confeiteiro para polvilhar 

Modo de preparo
CREME

1 Leve a ferver o leite com o açúcar e a fava de baunilha.

2 Em outro recipiente, coloque as gemas e o amido.

3 Misture o leite quente com as gemas e volte ao fogo até engrossar.

4 Acrescente a gelatina hidratada e dissolvida em água.

5 Deixe o creme esfriar e incorpore o chantilly.

MASSA

Asse a massa a 150 ºC por 1 hora, retire do forno e deixe esfriar.

MONTAGEM

1 Corte a massa em 3 partes e recheie com um saco de confeitar.

2 Polvilhe com açúcar de confeiteiro e sirva em seguida.

Obs.: Receita do chef Ivo Lopes, do La Varenne, Curitiba, PR;