O Metaverso

  • Categoria :Destaques
  • Data :21 / fevereiro / 2022

O Metaverso

Por Adilson Ferreira Coordenador dos Cursos de Gestão na FAEP

Começamos a falar então da concepção da internet. Na década de 80, no qual especialistas idealizaram então a “internet”, das perguntas as mais diversas, mas como seria isso? Tudo parecia que não chegaria a lugar algum, parecia um sonho, era até uma imaginação descabida talvez enfim, a internet se consolidou e trouxeram muitas novidades como os bate papos, a possibilidade genial de ter um endereço eletrônico (e-mail), entre várias outras possibilidades como sites de empresas, os próprios sites de busca sendo que o famoso da época era o Yahoo, mas que logo na sequência surgiria o Google. 

A popularização da informática com os computadores pessoais (ainda caros à época na década de 90), fomentaram todas essas transformações, e puxaram com força todo um movimento de crescimento exponencial, que nos anos 2000 disseminou as possibilidades de fazer então a conexão com a rede que viria ser a mais conhecida do mundo, a popularização dos PCs (Computadores pessoais) sendo mais acessíveis então e o mercado de tecnologia dava passadas largas. 

Lembro que a navegação para internet era ainda por meio de conexões discadas, utilizando pulso de linhas telefônicas, enfim, vivíamos em um mundo diferente no qual até a linha telefônica por exemplo, não era para qualquer um, mas, o avanço tecnológico e o movimento de concorrência de mercado nos trouxe muitas opções e oportunidades de experimentar todas essas possibilidades. Com tudo isso acontecendo, a popularização também dos serviços de telefonia residencial após uma movimentação de mercado com a venda de uma estatal famosa, a TELESP, anos depois surge a banda-larga, que prometia uma internet mais rápida e a oportunidade de distribuição da malha de conectividade para a maior parte da população.

Junto, contudo, não podemos jamais nos esquecer dos serviços de telefonia móvel que trouxeram grandes inovações, dentre elas podemos citar as evoluções de sistemas operacionais para “dispositivos portáteis”, as tecnologias de telecomunicações, no caso das conexões sem fio tais como o próprio WiFi e GSM, 1G, 2G, GRPS, EDGE,  3G, 4G e em breve chegará o 5G. Tudo isso trouxe junto as soluções em forma de aplicativos, os famosos “APPs” que passaram a solucionar problemas do cotidiano das pessoas, redes sociais, o fenômeno do marketing digital etc.

Olha só, muitas coisas aconteceram e eu brevemente pontuei o que julgo talvez ser as passagens mais significativas, podendo inclusive ter pulado alguma etapa importante da história, mas que nos faz refletir sobre as próximas evoluções tecnológicas. 

As redes sociais fazem parte do nosso cotidiano, é difícil alguém não ter registro por elas, pois em verdade muitas pessoas mantêm relacionamentos antigos de amizades por existir a facilidade de contato por meio delas, ou até mesmo fonte de renda para muitos, aliás movimentam-se muitos milhões por meio das redes sociais e muitos ainda não se deu conta disso.

A questão agora é, a internet e suas inovações não tem limites, e no ápice de uma das maiores redes sociais, muitas vezes lembrada por vazamento de dados ou outros por problemas, o mais recente escândalo chamado de “Facebook Pappers”, o dono do Facebook, Mark Zuckerberg, surge com a ideia de inovação que está movimentando todo o cenário global, fazendo com que se repense o modus operandi de como se posicionar perante o novo cenário que se desenha. 

A estratégia se dá início na troca de nome de Facebook para “Meta”, que dá alusão então ao Metaverso, que traz a questão de combinar a Realidade Aumentada com a Realidade Virtual, aliás, muitos estão dizendo que é para afastar os holofotes dos últimos problemas que a empresa está enfrentando. Mesmo assim, o poder de inovação e influência que este grande player nos traz chega a ser impressionante, e não obstante disso, outros grandes players já começam a se movimentar diante desse novo cenário.

A Realidade Aumentada (RA)  por exemplo, é quando você usa os dispositivos para adicionar conteúdos digitais ao mundo real, bastando usar um App de RA e a câmera de um dispositivo, você consegue já consumir estas informações. Um ótimo exemplo, foi a febre do jogo do Pokemon Go, e também dos filtros dos aplicativos Instagram e TikTok. Já a Realidade Virtual (RV), você precisaria de óculos, headsets entre outros dispositivos para ter uma experiência dentro do conceito, que é levar o usuário por meio desta tecnologia, a uma plataforma realista proporcionando uma experiência ao ponto de parecer real o que está se vendo. O exemplo que podemos citar, é a experiência de estar em um brinquedo popular, a Montanha Russa, mas de forma virtual. Podemos citar também a Realidade Mista (RM) que une todas essas tecnologias no qual por meio delas possibilitam a interação com os objetos virtuais e reais juntamente.

O Metaverso, é uma ideia da junção das tecnologias de RA com RV e RM, e da interação social que as redes sociais, jogos e toda internet proporcionam por exemplo, com a ideia de criar ambientes virtuais espelhados do mundo real, na criação de avatares, novas formas de trabalho, de lazer, viagens e negócios. Tudo isso irá movimentar um mercado para garantir o alto nível de processamento e a transmissão qualificada dessas informações com eficiência, e o que antecede tudo isso é o aumento da capacidade de conexões mais rápidas com o avanço para o 5G.

A experiência se pauta exatamente na razão de pertencimento ao fazer uma conexão, utilizando óculos e fones ou outros dispositivos conectados, fazendo com que a partir desta conexão se acesse o mundo virtual em 3 dimensões, degustando sensações jamais vistas e sentidas, com um aumento exponencial de possibilidades de fazer algo, interagir com objetos, se reunir com pessoas em um mesmo ambiente virtual com a sensação de estarem na mesma sala, mas, quando na verdade estão distantes. Enfim, realmente um mundo novo.

Mas, não para por aí, a aplicação também vai para o campo do lazer, para o campo da educação e também dos negócios. Imaginem o tamanho do movimento que este novo modelo provocará com relação ao todo? Todos nós certamente teremos Avatares cujo poderão ganhar inclusive características fiéis a nós mesmos até com expressões faciais, quer dizer, existem avanços significativos que visam mudar as formas atuais de nossas reuniões virtuais, deixando-as mais naturais.

Apesar do tema parecer novidade, vivemos a era dos jogos tais como o Second Life e o próprio Flight Simulator, ambos com características de fazer o usuário pertencer aquilo que é proposto, sendo imersivo, dando um gostinho à época, do que estar por vir com o Metaverso.

Contudo, abrirão novas oportunidades, acontecerão novos problemas para serem discutidos e resolvidos, nascerão novas profissões, mas, também será realmente um grande avanço tecnológico que trarão muitos benefícios para vários seguimentos, estou ansioso para os avanços que poderão trazer para a Educação, Medicina, por exemplo, que vive em constante evolução e com as gerações de “conectados”, será muito interessante viver tudo isso e vislumbrar as melhores aplicações para os melhores fins possíveis. Imaginem a idealização de protótipos de novos produtos, acredito que será mais barato todo o processo de desenvolvimento, e com uma experiência mais esclarecedora no final reforçando a importância dessa realidade futura, virtual ou não, acredito que teremos muito mais benefícios e soluções do que problemas que possam nascer.

E vocês, pensando no futuro das tecnologias, assim como no impacto nas nossas vidas, nas formas de como serão todas as coisas também?

 

Assista à entrevista concedida à Rede Vida