24/04 – Dia mundial do MILHO

  • Categoria :Blog - Gastronomia
  • Data :23 / abril / 2019

24/04 – Dia mundial do MILHO

Texto adaptado por Sandra Zarpelon, 23/04/2019.

 

A Chefe Ana Luiza Trajano em seu livro Mistura a Gosto (2015), identifica o milho sendo um presente vindo da América para todo o mundo. É um ingrediente muito versátil, consumido de diversas formas e texturas e ainda aparece nos mercados o ano todo.

Durante os festejos juninos, ganha status de dono de casa: “Junho, mês de São João, é o mês do milho, festivo, sonoro, inesquecível, da humilde pipoca ao bolo artístico”, diz Câmara Cascudo em Histórias da Alimentação no Brasil.

O milho foi considerado um alimento secundário e complementar na alimentação indígena, e o povo brasileiro herdou das mãos indígenas (Tupis) o mingau, o pirão, a paçoca, a pamonha, a canjica, a pipoca (CASCUDO, 2011).

Sua história começou a ser escrita para o mundo no dia 5 de novembro de 1492, na ilha que hoje chamamos Cuba, o navegador e explorador genovês Cristóvão Colombo anotava no seu diário:

                       Havia grandes terras cultivadas com raízes, uma espécie de fava

                       e uma espécie de trigo denominado maiz que é muito saboroso

                       cozido ao forno ou bem seco e reduzido a farinha.

O milho (Zea mays), nativo da América, em pouco tempo se espalharia pela Europa, África e Ásia. O período de colonização do continente americano e as chamadas grandes navegações que ocorreram durante o século XVI, o milho se expandiu para outras partes do mundo, se tornando um dos primeiros itens na cultural mundial.

O milho, rico em proteínas, fibras e vitaminas A e C, foi a base alimentar de todas as sociedades estabelecidas nas Américas.

Há pelo menos 7.300 anos o milho participa da história alimentar mundial. 

No Brasil o milho já era cultivado pelos índios antes mesmo da chegada dos portugueses, já que eles utilizavam o grão como um dos principais itens de sua dieta.

Mas foi com a chegada dos colonizadores, cerca de 500 anos atrás, que o consumo do cereal no país aumentou consideravelmente e passou a integrar o hábito alimentar da população.

De acordo com a Fundação Joaquim Nabuco, no período Brasil-Colônia, os escravos africanos tinham no milho, além da mandioca, como um de seus principais alimentos.

A partir do século XVIII, com o chamado Ciclo do Ouro nas Minas Gerais, o milho começa a tomar um lugar decisivo na alimentação nacional. Sob a forma de fubá, palavra que herdamos dos africanos para designar farinha, era a alimentação de viajantes e tropeiros que, trazendo mulas criadas do Sul para servir de transporte nas terras montanhosas, substituíam muitas vezes a farinha de mandioca pela de milho nos farnéis que se transformaram em virados misturados ao guisado de galinha, ao feijão ou carne-seca. Também usavam a farinha de milho misturada à água fervida com rapadura, uma bebida energética denominada jacuba. Ao longo desses caminhos foram sendo plantados nas roças, originando pequenos sítios paulistas e a agricultura dos campos das Minas Gerais, associando o milho à criação de porcos, fazendo surgir um verdadeiro “ecossistema” do milho: o homem planta o milho, cria o porco que engorda comendo o sabugo e fornece a gordura para o homem cozinhar pratos feitos de milho e porco, e dos derivados de ambos (FERNANDES, 2012).

Segundo Câmara Cascudo, na História da Alimentação Brasileira, a fusão das culinárias indígena, africana e portuguesa levaram ao brasileiro o “complexo” alimentar do milho que a industrialização tornou permanente, onde no mês de junho alcança o seu esplendor. Coincidem a época da colheita do milho com o inverno que seria a época das festas juninas e julinas, onde os festeiros oferecem alimentos derivados do cereal: pipocas, pudins, pamonhas, broas, canjicas, curaus e mugunzás, transformando o acontecimento numa verdadeira celebração do milho (FERNANDES, 2012).

Hoje, a maior concentração da produção de milho está na região Sul do país, principalmente nos estados de Minas, Goiás e Mato Grosso, de cujas cozinhas continuam a sair pratos deliciosos preparados com o milho.

Em 2015, foi comemorado pela primeira vez no Brasil o Dia Nacional do Milho. A data, fixada em 24 de maio, foi sancionada pela presidente Dilma Rousseff em janeiro de 2015. No Art 1º da lei está escrito que a data busca “estimular e orientar a cultura do milho” no país. O dia é comemorado um mês depois da data internacional, celebrada em 24 de abril.

Tabela de valor Nutricional  do milho verde cru
 
Fonte: https://www.tabelanutricional.com.br/milho-verde-cru

 

 Clique e conheça nosso curso de Graduação em Gastronomia

 

Receitas que tem como ingrediente principal o milho

Para comemorar a data separamos algumas receitas com milho. Confira abaixo:

Bolo Curau de milho verde

Broa de Fubá

Cuscuz Paulista

Manjar de milho com calda de leite de coco

Pamonha Assada

Sopa de Milho Verde

Sorvete de Milho